As raízes do suicídio

Um ensaio clínico observará a estrutura e a função neurológica de pessoas que tentaram suicídio.

Por Sara Reardon
Publicado na Nature


O suicídio é um enigma. Menos de 10% das pessoas com depressão tentaram suicidar-se e cerca de 10% dos que o tomam em suas próprias vidas nunca foram diagnosticadas com alguma condição de saúde mental.

Agora, um estudo está tratando de determinar o que acontece no cérebro quando uma pessoa tenta suicídio e o que os distingue essas pessoas do resto. Os resultados poderão ajudar os pesquisadores a entender se o suicídio é impulsionado por algum aspecto da biologia do cérebro e se não é apenas um sintoma de uma desordem mental.

O projeto recrutará 50 pessoas que tentaram cometer suicídio nas duas semanas anteriores a inscrição no estudo. Carlos Zarate, um psiquiatra no Instituto Nacional de Saúde Mental em Bethesda, Maryland, e seus colegas compararão a estrutura e a função do cérebro dessas pessoas com outras 40 pessoas que tentaram suicidar-se há mais de um ano, 40 pessoas com depressão ou ansiedade que nunca tentaram suicídio e um grupo de 40 pessoas sanas. Desta maneira, os pesquisadores esperam entender os mecanismos cerebrais associados com o impulso de matar-se a si mesmo.

A equipe de Zarate também administrará ketamina, um fármaco psicoativo conhecido como uma “droga de festa”, ao grupo que tentou suicidar-se mais recentemente. A ketamina, que é por vezes utilizado para tratar a depressão, pode deter pensamentos e comportamentos suicidas de forma rápida – incluindo casos em que não tem efeito sobre outros sintomas de depressão. É sabido que seus efeitos duram cerca de uma semana.

Para alguns pesquisadores, essas descobertas sugerem que a ketamina afeta os circuitos cerebrais específicos do pensamento suicida. Mas John Mann, psiquiatra da Universidade de Columbia em Nova York, disse que a química cerebral anormal e a genética também podem predispor a uma pessoa a tentar suicidar-se em momentos de grande tensão, como depois de perder um emprego.

Escrito em genes?

Há evidência de que a genética influencia no risco de suicídio de uma pessoa. Por exemplo, os familiares biológicos de crianças adotadas que cometeram suicídio são várias vezes mais propensos a tirar a própria vida do que a população em geral.

Fabrice Jollant, psiquiatra da Universidade de McGill em Montreal, Canadá, sugere que essa influência genética está relacionada com a impulsividade e o julgamento falho, em vez de uma enfermidade mental específica. Jollant descobriu que os parentes próximos de pessoas que se suicidaram eram mais impulsivos que um grupo de controle quando jogaram um jogo de apostas concebido para testar a tomada de decisões. “Parece que isso é algo herdado”, disse Jollant.

Outros pesquisadores estão buscando biomarcadores que permitirão aos médicos detectar pessoas com maior risco de suicídio. Alexander Niculescu, psiquiatra da Universidade de Indiana, em Indianápolis, e seus colegas identificaram um conjunto de seis genes cuja expressão mostra-se alterada no sangue de pessoas que cometeram suicídio. A equipe descobriu que ao combinar esses biomarcadores com os dados de uma aplicação que controla o estado de humor e os fatores de risco, se pode predizer, com uma precisão maior de 90%, se as pessoas com transtorno bipolar ou esquizofrenia serão eventualmente diagnosticadas por uma tentativa de suicídio.

E Mann está utilizando a tomografia por emissão de pósitrons para rastrear melhor o biomarcador estudado, a molécula ativa da serotonina, nos cérebros das pessoas que tentaram suicídio. Seus padrões alterados de serotonina são similares aos observados depois da morte nos cérebros de pessoas que suicidaram, disse Mann.

Embora os níveis de serotonina sejam alterados em pessoas com depressão, Mann encontrou diferenças entre as pessoas que tentar suicidar-se e os que estão deprimidos mas que não têm antecedentes às tentativas de suicídio. Também demonstrou que os níveis de serotonina se alteram em maior grau em aqueles cujas as tentativas de suicídio foram mais graves – tais como tomar uma garrafa inteira de analgésicos – do que em aqueles cujas tentativas tem sido menos drásticas.

0 comentários: